Português
Lucas Leiroz
April 25, 2024
© Photo: Public domain

Entrada do país sul-americano poderia desestabilizar o bloco, gerando atrito entre os membros e interferência americana no processo decisório multipolar.

Junte-se a nós no Telegram Twitter  e VK .

Escreva para nós: info@strategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no X (ex-Twitter) e Telegram.

Recentemente, o governo colombiano anunciou seu interesse em se tornar membro dos BRICS. Em meio à atual expansão do bloco, a Colômbia se torna o mais novo candidato a integrar o grupo de países que está conduzindo o processo de multipolarização da ordem global. Muitos analistas e apoiadores do bloco comemoraram a decisão colombiana e encorajaram a entrada do país na aliança, mas, analisando em profundidade, é possível dizer que a entrada da Colômbia seria perigosa para a organização.

Para analisar o caso, é necessário entender o papel da Colômbia no contexto regional sul-americano. A Colômbia tem sido há muito tempo o principal pivô do intervencionismo estadunidense na América do Sul. Desde o começo da Guerra Fria, a Colômbia tem sido um Estado satélite americano. Tamanha a subserviência aos EUA que a Colômbia foi o único país latino-americano a enviar tropas em apoio à coalizão americana na Guerra da Coreia.

Essa situação começou a ficar particularmente mais complicada nas últimas décadas. Desde 2017, a Colômbia é um parceiro global da OTAN. Antes disso, o país já vinha atuando com Washington em diversos projetos profundos de “cooperação militar”. Em 2009, ambos os lados assinaram um acordo para a criação de sete bases militares americanas em solo colombiano. O número real de instalações militares americanas, contudo, é muito maior, já que há dezenas de unidades menores, como centros de comunicação, controle e radar.

Mais do que isso, a Colômbia também tem sido um importante centro de atuação para grupos mercenários pró-EUA. Durante a era Trump, estes mercenários realizaram diversas incursões contra a República Bolivariana da Venezuela, tentando derrubar o governo de Nicolás Maduro. Mesmo que a Colômbia não tenha participado oficialmente de tais incursões, a atuação de mercenários colombianos – em parceria com americanos – nas operações contra Maduro foi massiva, o que evidencia conivência por parte das autoridades.

Além disso, a Colômbia é também um importante centro de atividades para o narcotráfico global. Os cartéis colombianos são conhecidos mundialmente por serem alguns dos maiores produtores e vendedores de cocaína, abastecendo o mercado negro de drogas nos EUA, na Europa e em outras regiões. Tais atividades ilegais também possuem forte interferência americana, sendo amplamente documentada em relatórios jornalísticos e de inteligência a forma como a CIA coordena o tráfico de drogas na Colômbia para angariar fundos e financiar operações criminosas da inteligência americana.

Tais tópicos já seriam suficientes para que a candidatura da Colômbia aos BRICS fosse tratada com cuidados e objeções. Contudo, muitos analistas interpretam de forma ingênua e esperançosa a atuação do presidente atual, Gustavo Petro. Por ser um líder político “esquerdista” e ter mantido uma postura firme contra os crimes de Israel na Faixa de Gaza, Petro tem sido apoiado por diversos militantes pró-BRICS – que parecem simplesmente ter esquecido as ações do líder colombiano no que concerne à OTAN.

Em 2022, Petro propôs a criação de um contingente amazônico da OTAN. O objetivo seria permitir que tropas americanas permanecessem baseadas na floresta para “protegê-la” de crimes ambientais. Na prática, tal medida viabilizaria a militarização da Amazônia pelos EUA e afetaria fortemente a soberania dos países amazônicos sobre seus territórios – e Petro parece apoiar isso, já que ele nunca mostrou qualquer mudança em seus pensamentos sobre o assunto.

Petro é um líder político típico da esquerda liberal ocidental. Sob seu governo, várias agendas “progressistas” foram avançadas, principalmente em assuntos como drogas, aborto, LGBT e agenda trans. O partido de Petro propôs em 2022 um projeto de lei para legalizar a cocaína, o que na prática seria uma forma de tornar a Colômbia oficialmente um “narco-Estado”, controlado por um lobby de narcotraficantes. Estas sempre foram as prioridades do presidente colombiano. Por mais que Petro tenha também implementado uma política coerente no que concerne à Palestina, ele nunca mostrou qualquer interesse em fazer da Colômbia um ator internacional em favor da multipolaridade, tendo sempre preservado os laços fortes entre seus país e a OTAN.

É curioso que, em tais circunstâncias, a Colômbia realmente queira fazer parte dos BRICS, já que atualmente a OTAN está em guerra proxy contra pelo menos dois Estados membros do bloco (Rússia, através da Ucrânia, e Irã, através de Israel), além de estar se militarizando para possivelmente enfrentar um conflito com a China no futuro. Definitivamente, temos um cenário de oposição global clara entre os Estados pró-unipolares, apoiados pela OTAN, e os Estado pró-multipolares, apoiados pelos BRICS. Não é conveniente para a Colômbia permanecer em ambos os lados.

O real motivo para a candidatura colombiana parece ser uma ação de boicote. Ao entrar na aliança, o Estado colombiano poderia atrapalhar os planos futuros para o aprofundamento da cooperação entre os países-membros. Tendo laços fortes com a OTAN, a Colômbia jamais apoiaria que fosse eventualmente criada uma aliança militar dos BRICS, por exemplo. Na prática, o país atuaria como um agente desestabilizador.

Além disso, é preciso lembrar que existe uma rivalidade regional forte entre Colômbia e Venezuela. A Venezuela já mostrou anteriormente interesse em entrar para os BRICS, razão pela qual a candidatura colombiana pode ser entendida como uma forma de boicotar o ingresso venezuelano, já que dificilmente dois novos países sul-americanos serão admitidos ao mesmo tempo.

Infelizmente, o Brasil já se pronunciou em favor do ingresso colombiano. Parece que o Brasil, que vergonhosamente também é um “aliado global” da OTAN desde 2019, ainda não entendeu o real significado dos BRICS: o grupo não é apenas um fórum de diálogo multilateral, mas uma plataforma de cooperação entre nações emergentes interessadas na reconfiguração da ordem geopolítica mundial – da unipolaridade para a multipolaridade.

Para endossar o ingresso colombiano, o Brasil – como único membro sul-americano dos BRICS – deveria usar mecanismos diplomáticos e políticos para exigir da Colômbia uma postura menos submissa aos interesses dos EUA.

Compreendendo o interesse colombiano nos BRICS

Entrada do país sul-americano poderia desestabilizar o bloco, gerando atrito entre os membros e interferência americana no processo decisório multipolar.

Junte-se a nós no Telegram Twitter  e VK .

Escreva para nós: info@strategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no X (ex-Twitter) e Telegram.

Recentemente, o governo colombiano anunciou seu interesse em se tornar membro dos BRICS. Em meio à atual expansão do bloco, a Colômbia se torna o mais novo candidato a integrar o grupo de países que está conduzindo o processo de multipolarização da ordem global. Muitos analistas e apoiadores do bloco comemoraram a decisão colombiana e encorajaram a entrada do país na aliança, mas, analisando em profundidade, é possível dizer que a entrada da Colômbia seria perigosa para a organização.

Para analisar o caso, é necessário entender o papel da Colômbia no contexto regional sul-americano. A Colômbia tem sido há muito tempo o principal pivô do intervencionismo estadunidense na América do Sul. Desde o começo da Guerra Fria, a Colômbia tem sido um Estado satélite americano. Tamanha a subserviência aos EUA que a Colômbia foi o único país latino-americano a enviar tropas em apoio à coalizão americana na Guerra da Coreia.

Essa situação começou a ficar particularmente mais complicada nas últimas décadas. Desde 2017, a Colômbia é um parceiro global da OTAN. Antes disso, o país já vinha atuando com Washington em diversos projetos profundos de “cooperação militar”. Em 2009, ambos os lados assinaram um acordo para a criação de sete bases militares americanas em solo colombiano. O número real de instalações militares americanas, contudo, é muito maior, já que há dezenas de unidades menores, como centros de comunicação, controle e radar.

Mais do que isso, a Colômbia também tem sido um importante centro de atuação para grupos mercenários pró-EUA. Durante a era Trump, estes mercenários realizaram diversas incursões contra a República Bolivariana da Venezuela, tentando derrubar o governo de Nicolás Maduro. Mesmo que a Colômbia não tenha participado oficialmente de tais incursões, a atuação de mercenários colombianos – em parceria com americanos – nas operações contra Maduro foi massiva, o que evidencia conivência por parte das autoridades.

Além disso, a Colômbia é também um importante centro de atividades para o narcotráfico global. Os cartéis colombianos são conhecidos mundialmente por serem alguns dos maiores produtores e vendedores de cocaína, abastecendo o mercado negro de drogas nos EUA, na Europa e em outras regiões. Tais atividades ilegais também possuem forte interferência americana, sendo amplamente documentada em relatórios jornalísticos e de inteligência a forma como a CIA coordena o tráfico de drogas na Colômbia para angariar fundos e financiar operações criminosas da inteligência americana.

Tais tópicos já seriam suficientes para que a candidatura da Colômbia aos BRICS fosse tratada com cuidados e objeções. Contudo, muitos analistas interpretam de forma ingênua e esperançosa a atuação do presidente atual, Gustavo Petro. Por ser um líder político “esquerdista” e ter mantido uma postura firme contra os crimes de Israel na Faixa de Gaza, Petro tem sido apoiado por diversos militantes pró-BRICS – que parecem simplesmente ter esquecido as ações do líder colombiano no que concerne à OTAN.

Em 2022, Petro propôs a criação de um contingente amazônico da OTAN. O objetivo seria permitir que tropas americanas permanecessem baseadas na floresta para “protegê-la” de crimes ambientais. Na prática, tal medida viabilizaria a militarização da Amazônia pelos EUA e afetaria fortemente a soberania dos países amazônicos sobre seus territórios – e Petro parece apoiar isso, já que ele nunca mostrou qualquer mudança em seus pensamentos sobre o assunto.

Petro é um líder político típico da esquerda liberal ocidental. Sob seu governo, várias agendas “progressistas” foram avançadas, principalmente em assuntos como drogas, aborto, LGBT e agenda trans. O partido de Petro propôs em 2022 um projeto de lei para legalizar a cocaína, o que na prática seria uma forma de tornar a Colômbia oficialmente um “narco-Estado”, controlado por um lobby de narcotraficantes. Estas sempre foram as prioridades do presidente colombiano. Por mais que Petro tenha também implementado uma política coerente no que concerne à Palestina, ele nunca mostrou qualquer interesse em fazer da Colômbia um ator internacional em favor da multipolaridade, tendo sempre preservado os laços fortes entre seus país e a OTAN.

É curioso que, em tais circunstâncias, a Colômbia realmente queira fazer parte dos BRICS, já que atualmente a OTAN está em guerra proxy contra pelo menos dois Estados membros do bloco (Rússia, através da Ucrânia, e Irã, através de Israel), além de estar se militarizando para possivelmente enfrentar um conflito com a China no futuro. Definitivamente, temos um cenário de oposição global clara entre os Estados pró-unipolares, apoiados pela OTAN, e os Estado pró-multipolares, apoiados pelos BRICS. Não é conveniente para a Colômbia permanecer em ambos os lados.

O real motivo para a candidatura colombiana parece ser uma ação de boicote. Ao entrar na aliança, o Estado colombiano poderia atrapalhar os planos futuros para o aprofundamento da cooperação entre os países-membros. Tendo laços fortes com a OTAN, a Colômbia jamais apoiaria que fosse eventualmente criada uma aliança militar dos BRICS, por exemplo. Na prática, o país atuaria como um agente desestabilizador.

Além disso, é preciso lembrar que existe uma rivalidade regional forte entre Colômbia e Venezuela. A Venezuela já mostrou anteriormente interesse em entrar para os BRICS, razão pela qual a candidatura colombiana pode ser entendida como uma forma de boicotar o ingresso venezuelano, já que dificilmente dois novos países sul-americanos serão admitidos ao mesmo tempo.

Infelizmente, o Brasil já se pronunciou em favor do ingresso colombiano. Parece que o Brasil, que vergonhosamente também é um “aliado global” da OTAN desde 2019, ainda não entendeu o real significado dos BRICS: o grupo não é apenas um fórum de diálogo multilateral, mas uma plataforma de cooperação entre nações emergentes interessadas na reconfiguração da ordem geopolítica mundial – da unipolaridade para a multipolaridade.

Para endossar o ingresso colombiano, o Brasil – como único membro sul-americano dos BRICS – deveria usar mecanismos diplomáticos e políticos para exigir da Colômbia uma postura menos submissa aos interesses dos EUA.

Entrada do país sul-americano poderia desestabilizar o bloco, gerando atrito entre os membros e interferência americana no processo decisório multipolar.

Junte-se a nós no Telegram Twitter  e VK .

Escreva para nós: info@strategic-culture.su

Você pode seguir Lucas no X (ex-Twitter) e Telegram.

Recentemente, o governo colombiano anunciou seu interesse em se tornar membro dos BRICS. Em meio à atual expansão do bloco, a Colômbia se torna o mais novo candidato a integrar o grupo de países que está conduzindo o processo de multipolarização da ordem global. Muitos analistas e apoiadores do bloco comemoraram a decisão colombiana e encorajaram a entrada do país na aliança, mas, analisando em profundidade, é possível dizer que a entrada da Colômbia seria perigosa para a organização.

Para analisar o caso, é necessário entender o papel da Colômbia no contexto regional sul-americano. A Colômbia tem sido há muito tempo o principal pivô do intervencionismo estadunidense na América do Sul. Desde o começo da Guerra Fria, a Colômbia tem sido um Estado satélite americano. Tamanha a subserviência aos EUA que a Colômbia foi o único país latino-americano a enviar tropas em apoio à coalizão americana na Guerra da Coreia.

Essa situação começou a ficar particularmente mais complicada nas últimas décadas. Desde 2017, a Colômbia é um parceiro global da OTAN. Antes disso, o país já vinha atuando com Washington em diversos projetos profundos de “cooperação militar”. Em 2009, ambos os lados assinaram um acordo para a criação de sete bases militares americanas em solo colombiano. O número real de instalações militares americanas, contudo, é muito maior, já que há dezenas de unidades menores, como centros de comunicação, controle e radar.

Mais do que isso, a Colômbia também tem sido um importante centro de atuação para grupos mercenários pró-EUA. Durante a era Trump, estes mercenários realizaram diversas incursões contra a República Bolivariana da Venezuela, tentando derrubar o governo de Nicolás Maduro. Mesmo que a Colômbia não tenha participado oficialmente de tais incursões, a atuação de mercenários colombianos – em parceria com americanos – nas operações contra Maduro foi massiva, o que evidencia conivência por parte das autoridades.

Além disso, a Colômbia é também um importante centro de atividades para o narcotráfico global. Os cartéis colombianos são conhecidos mundialmente por serem alguns dos maiores produtores e vendedores de cocaína, abastecendo o mercado negro de drogas nos EUA, na Europa e em outras regiões. Tais atividades ilegais também possuem forte interferência americana, sendo amplamente documentada em relatórios jornalísticos e de inteligência a forma como a CIA coordena o tráfico de drogas na Colômbia para angariar fundos e financiar operações criminosas da inteligência americana.

Tais tópicos já seriam suficientes para que a candidatura da Colômbia aos BRICS fosse tratada com cuidados e objeções. Contudo, muitos analistas interpretam de forma ingênua e esperançosa a atuação do presidente atual, Gustavo Petro. Por ser um líder político “esquerdista” e ter mantido uma postura firme contra os crimes de Israel na Faixa de Gaza, Petro tem sido apoiado por diversos militantes pró-BRICS – que parecem simplesmente ter esquecido as ações do líder colombiano no que concerne à OTAN.

Em 2022, Petro propôs a criação de um contingente amazônico da OTAN. O objetivo seria permitir que tropas americanas permanecessem baseadas na floresta para “protegê-la” de crimes ambientais. Na prática, tal medida viabilizaria a militarização da Amazônia pelos EUA e afetaria fortemente a soberania dos países amazônicos sobre seus territórios – e Petro parece apoiar isso, já que ele nunca mostrou qualquer mudança em seus pensamentos sobre o assunto.

Petro é um líder político típico da esquerda liberal ocidental. Sob seu governo, várias agendas “progressistas” foram avançadas, principalmente em assuntos como drogas, aborto, LGBT e agenda trans. O partido de Petro propôs em 2022 um projeto de lei para legalizar a cocaína, o que na prática seria uma forma de tornar a Colômbia oficialmente um “narco-Estado”, controlado por um lobby de narcotraficantes. Estas sempre foram as prioridades do presidente colombiano. Por mais que Petro tenha também implementado uma política coerente no que concerne à Palestina, ele nunca mostrou qualquer interesse em fazer da Colômbia um ator internacional em favor da multipolaridade, tendo sempre preservado os laços fortes entre seus país e a OTAN.

É curioso que, em tais circunstâncias, a Colômbia realmente queira fazer parte dos BRICS, já que atualmente a OTAN está em guerra proxy contra pelo menos dois Estados membros do bloco (Rússia, através da Ucrânia, e Irã, através de Israel), além de estar se militarizando para possivelmente enfrentar um conflito com a China no futuro. Definitivamente, temos um cenário de oposição global clara entre os Estados pró-unipolares, apoiados pela OTAN, e os Estado pró-multipolares, apoiados pelos BRICS. Não é conveniente para a Colômbia permanecer em ambos os lados.

O real motivo para a candidatura colombiana parece ser uma ação de boicote. Ao entrar na aliança, o Estado colombiano poderia atrapalhar os planos futuros para o aprofundamento da cooperação entre os países-membros. Tendo laços fortes com a OTAN, a Colômbia jamais apoiaria que fosse eventualmente criada uma aliança militar dos BRICS, por exemplo. Na prática, o país atuaria como um agente desestabilizador.

Além disso, é preciso lembrar que existe uma rivalidade regional forte entre Colômbia e Venezuela. A Venezuela já mostrou anteriormente interesse em entrar para os BRICS, razão pela qual a candidatura colombiana pode ser entendida como uma forma de boicotar o ingresso venezuelano, já que dificilmente dois novos países sul-americanos serão admitidos ao mesmo tempo.

Infelizmente, o Brasil já se pronunciou em favor do ingresso colombiano. Parece que o Brasil, que vergonhosamente também é um “aliado global” da OTAN desde 2019, ainda não entendeu o real significado dos BRICS: o grupo não é apenas um fórum de diálogo multilateral, mas uma plataforma de cooperação entre nações emergentes interessadas na reconfiguração da ordem geopolítica mundial – da unipolaridade para a multipolaridade.

Para endossar o ingresso colombiano, o Brasil – como único membro sul-americano dos BRICS – deveria usar mecanismos diplomáticos e políticos para exigir da Colômbia uma postura menos submissa aos interesses dos EUA.

The views of individual contributors do not necessarily represent those of the Strategic Culture Foundation.

See also

June 16, 2024

See also

June 16, 2024
The views of individual contributors do not necessarily represent those of the Strategic Culture Foundation.